Alfabetizar é ir além de ler e escrever!

Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
Enquete
O que mais lhe interessa no site?
Jogos
Atividades Lúdicas
Planos de Aula
Textos
Artigos
Galeria de fotos
Atividades de Ensino
Atividades de Avaliação
Ver Resultados

Rating: 3.1/5 (5058 votos)




ONLINE
3




 

 


Oficinas - Sequência Didática
Oficinas - Sequência Didática

 

OFICINAS "SEQUÊNCIA DIDÁTICA"

AS Oficinas foram criadas para oferecer material de apoio às reuniões pedagógicas na escola, na forma de seqüências de atividades pedagógicas voltadas para a formação continuada do professor. 

Nesta segunda proposta, são sugeridas oficinas que têm como objetivo a reflexão sobre a organização da seqüência didática e sua articulação com a prática de sala de aula. 

Além das atividades, a seção oferece orientações e dicas para a condução do trabalho em grupo.

 

durexant.jpg

Antes de iniciar, é importante que você leia todas as atividades propostas, os boxes como as explicações e os textos de apoio. Bom trabalho!

tachinha.jpg

 

Quadro síntese das oficinas

 

Sequência Didática
Objetivo: Possibilitar que os participantes do grupo reflitam sobre o que são seqüências didáticas, por que e como usá-las no ensino de gêneros textuais em sala de aula.
OFICINAS
OBJETIVOS
TEMPO
PREVISTO
1. A produção textual em sala de aula
  • Mapear como o professor trabalha com produção textual em sala de aula;
  • Possibilitar que o professor reflita sobre a proposta de trabalho;

  • Refletir sobre a concepção de ensino que está por trás dos procedimentos metodológicos adotados.
1h
2. Por que trabalhar com seqüência didática?
  • Ativar o conhecimento prévio sobre seqüência didática;

  • Pensar sobre como e por que trabalhar com seqüência didática.
1h
3. O passo- a- passo da seqüência didática.
  • Conhecer os objetivos de cada etapa da seqüência didática;

  • Familiarizar-se com o gênero reportagem turística;

  • Identificar os elementos característicos de uma reportagem turística.
1h
4. A importância da construção de texto coletivo
  • Refletir sobre como elaborar um texto coletivo, incorporando a ele os recursos aprendidos no transcorrer das atividades da seqüência didática.
1h
5. Revisar o dito e o escrito
  • Revisar o texto, identificando os aspectos que podem ser aprimorados.
1h
6. O caminho das pedras
  • Retomar as etapas da seqüência didática;

  • Incentivar o planejamento de uma seqüência didática.
1h
Tempo total previsto
6h

 

A produção textual em sala de aula
(tempo previsto: 60’)

materialof1.jpg inicio1_.jpg

Etapa 1 (tempo previsto: 10’) 
Convide os participantes a voltarem ao tempo de escola e relembrarem uma experiência interessante que tiveram com produção de texto. Anime-os a pensar nas várias situações que envolveram esse momento significativo: quem era o professor? Como ele interagia com os alunos (elogiava, ajudava, sentava junto, ou mantinha-se distante). Que atividades costumava propor para a turma escrever? Peça que cada um faça um desenho que represente essa cena.

dica1.jpg

Etapa 2 (tempo previsto: 20’) 
Convide os participantes a compartilhar as lembranças. Inicialmente, peça que observem os desenhos uns dos outros. Incentive-os, então, a procurar os colegas que fizeram desenhos com os quais se identifiquem ou que têm alguma semelhança com a sua representação. Oriente para que formem pequenos grupos e conversem sobre o que os desenhos revelam. Pergunte se podem identificar quais concepções de ensino da escrita estão por trás das práticas que recordaram. veja exemplo

 

Observe se as representações apresentadas revelam que os alunos escreviam a partir de um título, um tema, uma imagem, sem atividades prévias para se iniciar o trabalho de produção, ou seja, se a proposta de escrita era apenas um motivo para a produção de gêneros escolares, como o relato de fim de semana, relato de passeio, resumo de aula e outros voltados para o treino de gramática e ortografia. Outro aspecto a considerar na reflexão que fizer com os professores é se as propostas de escrita tinham vinculação com outros gêneros discursivos, não escolares. Aqui é importante considerar que a escola faz parte da sociedade e tem uma clara função de organizar o conhecimento que circula fora dela. Portanto, os gêneros que a escola produz são sociais, circulam socialmente, já que ela é um espaço social. Neste momento, é importante distinguir os gêneros escolares dos não escolares, como os literários, os jornalísticos, os científicos, os instrutivos, etc. Por exemplo, havia alguma proposta de escrita que aproximasse os alunos de situações de produção de gêneros não escolares, como quadrinhas, ou crônicas, ou verbetes de enciclopédia?

Verifique também se há representações em que a escrita é vista como trabalho, que envolve um fazer e refazer, ou se a escrita tem uso e função social, estabelece interlocução entre autor e leitor (motivo que ele tem para escrever, para quem ele vai escrever, onde seu texto será lido e o gênero que utilizará na escrita do texto).

Incentive ainda que os participantes relembrem as sensações, emoções (medo, alegria, ansiedade, insegurança etc) vividas durante o processo de elaboração do texto e se esses sentimentos interferiram na interação com o professor e no desempenho da escrita.


Após a reflexão, cada grupo elege um orador para socializar suas conclusões. Para facilitar as discussões, anote as observações dos grupos. Monte um varal ou um painel com os desenhos.

Etapa 3 (tempo previsto: 15’)

Proponha ao grupo outras questões para reflexão:

De que maneira as práticas relembradas contribuíram para o desenvolvimento da escrita?
Elas ainda estão presentes em sala de aula? 
Hoje, como são as práticas de produção textual? 

O importante é que, além de trocar as experiências, os participantes percebam que existe uma concepção de ensino aprendizagem por trás de toda prática de sala de aula. Incentive-os a identificar quais eram as concepções de ensino da escrita que estavam por trás dos procedimentos metodológicos adotados nas experiências lembradas e a compará-las com as práticas atuais. Ao final da discussão, organize uma síntese conjunta das principais conclusões.
Etapa 4 (tempo previsto: 15’)

A partir das conclusões, peça que o grupo observe se em alguma prática apresentada foi possível perceber que o professor se preocupava em definir claramente para seus alunos a situação de comunicação: escrever com uma intenção, para alguém ler, escolhendo o gênero mais adequado para este objetivo e o local onde vai circular.

À medida que as práticas vão sendo apresentadas, ajude-os a refletir se essas representações estão mais próximas ou mais distantes da proposta com gêneros textuais desenvolvidas nos fascículos do Kit Itaú de Criação de Texto.

Aproveite o texto Propostas de ensino de leitura e escrita no Escrevendo - Buscando contribuir para superação das dificuldades dos estudantes brasileiros, de Heloisa Amaral, publicado em 14 de fevereiro de 2007 na Comunidade Virtual.

 A escolha da abordagem de ensino de língua por meio de gêneros textuais não foi aleatória. As referências mais atuais sobre um ensino eficaz de Língua Portuguesa, entre elas os Parâmetros Curriculares Nacionais produzidos pelo MEC, recomendam que o aluno trabalhe na escola com umaampla diversidade de gêneros de textos, literários e não literários, orais e escritos, e que leia, discuta e escreva com finalidades definidas, para ouvintes e leitores de dentro e de fora da escola que, de alguma forma, dêem uma resposta ao que ele escreveu.

Assim, em vez de fazer as tradicionais redações sobre as férias ou o fim de semana que apenas o professor vai ler, a produção escrita dos alunos pode ser orientada para, por exemplo, ser uma carta de solicitação pedindo à diretora da escola a liberação do uso da quadra aos domingos, ou a preparação de cartazes para uma campanha de saúde que tenha como finalidade mobilizar a comunidade, ou a escrita de poemas para serem lidos num sarau da igreja.

Os textos produzidos nessas condições ficam muito mais significativos do que aqueles feitos para a troca exclusiva com o professor, para obtenção de uma nota. Com a perspectiva de comunicação mais ampla e objetiva, os textos dos alunos deixam de ser uma escrita tipicamente escolar e passam a ser uma escrita produzida na escola, mas com significado extra-escolar, tanto para quem escreve como para quem lê.

Para finalizar, faça uma leitura conjunta do texto a seguir e promova a socialização das conclusões.

Nos últimos anos, a expressão “gêneros de texto” tornou-se comum, mas poucas vezes paramos para pensar no que ela significa. Como a palavra "gênero" significa "família, grupo", podemos dizer que gêneros textuais são “famílias”, grupos de textos, orais ou escritos, que têm origens próximas e são ligados entre si por pertencerem a uma mesma área de conhecimento e ocorrerem em situações de comunicação semelhantes.

Um exemplo que estamos falando é o jornal, que é uma área de produção de informações. Todos os gêneros produzidos nele são chamados de “gêneros jornalísticos” (notícias, editoriais, reportagens, por exemplo) e têm muitos aspectos em comum, determinados pela maneira como o conhecimento jornalístico é produzido e organizado. Outro dos inúmeros campos de conhecimento que produzem formas de linguagem próprias é o jurídico. Há um grande número de “gêneros jurídicos” como as leis, as petições, os contratos, os estatutos, por exemplo, todos carregando traços do trabalho e do conhecimento de juizes, promotores e advogados. Outros gêneros que podem ser agrupados numa mesma “família” são os literários, produzidos para o entretenimento e o deleite dos leitores por autores que são verdadeiros artistas. Entre eles estão os romances, os poemas, os contos, as narrativas policiais, as crônicas, etc.

Além desses campos de conhecimento mais formais, a cultura popular possui gêneros constituídos ao longo de séculos e transmitidos de boca em boca através das gerações familiares, como cantigas de ninar, de roda, contos, fábulas, lendas, advinhas e muitos outros. Como todas as formas de linguagem nascidas nas diferentes situações de comunicação são gêneros, podemos dizer que também são gêneros de texto as conversas familiares e as conversas de bar. Esses últimos são marcados pela informalidade das situações de comunicação em que são produzidos.

Finalizando, podemos dizer que são gêneros textuais todas as formas de linguagem produzidas em toda e qualquer situação de comunicação, que podem ser reconhecidas e utilizadas pelas pessoas que estão se comunicando por terem formas conhecidas. Ao contar uma piada, passar uma receita, dar uma instrução qualquer, já sabemos de antemão quais são as formas, as características do gênero que vamos usar. Quem conversa conosco, do mesmo modo, também reconhece os elementos do gênero que está sendo usado e ri da piada, anota a receita ou presta atenção às instruções. Os gêneros, por terem marcas reconhecidas pelas pessoas que se comunicam, são instrumentos que possibilitam o entendimento entre as pessoas.

Você viu, pelos exemplos acima, que são inúmeros os gêneros de texto que existem na língua. Podemos dizer que seu número é iinfinito, pois cada uma dessas formas de linguagem decorre das inúmeras e diferentes situações de comunicação (ou situações de produção de linguagem) que vivemos no cotidiano, sejam elas informais ou mais formais. Uma pessoa, por exemplo, no seu papel de mãe ou pai, pode, num dado momento, dar instruções a seus filhos. Logo em seguida, no seu papel de profissional, pode escrever um texto técnico para seu chefe. Mais tarde, essa mesma pessoa pode se tornar um leitor de jornal ou um telespectador, envolvido com o noticiário do dia ou com uma novela. Como as situações de comunicação mudam constantemente, uma mesma pessoa usa vários gêneros num só dia, porque muda de lugar social nas diferentes situações de produção de linguagem: ora ocupa o lugar de pai ou mãe, ora de profissional em seu trabalho, ora de pessoa que busca informações sobre o mundo em que vive, etc.

Podemos concluir que, como só nos comunicamos por meio de gêneros textuais, quanto mais gêneros dominarmos maior será nossa capacidade de comunicação, nosso desenvolvimento pessoal e nossa capacidade de exercer a cidadania.

Muitos dos gêneros que utilizamos são aprendidos informalmente nas relações sociais mais próximas. Outros, porém, exigem ensino sistematizado para serem aprendidos. A escola é responsável pelo ensino sistematizado de gêneros mais formais. No caso deste Prêmio, os gêneros formais propostos para este tipo de ensino são: artigo de opinião, memórias e poemas. (Fonte: Kit Itaú de Criação de Textos - Prêmio Escrevendo o Futuro- 3ª edição 2006 –Pp. 2 e 3)

Para saber mais 

Para ampliar e complementar esta discussão, sugerimos a leitura dos textos abaixo, escritos por Heloisa Amaral, publicados na Comunidade Virtual:

"Ninguém confunde carta de amor com narração de futebol"

"Como trabalhar com gêneros textuais na Olimpíada"

"Ensinar leitura e escrita com gênero como instrumento: o que pensam os colegas"

"Escolhendo gêneros textuais para ensinar na escola"

"Propostas de ensino de leitura e escrita no Escrevendo - Buscando contribuir para a superação das dificuldades dos estudantes brasileiros"

OFICINA 2

Por que trabalhar com seqüência didática?
(tempo previsto: 60')

 

materialof2.jpg oficina2_.gif

Etapa 1 - HQ (tempo previsto: 05’)
Apresentação do Clipe HQ – seqüência didática (clique sobre a animação acima).

Etapa 2 - Teste (tempo previsto: 15’)
Conte para os participantes que nesta etapa vamos refletir juntos sobre como organizar o ensino da produção de texto na perspectiva de gêneros. Convide-os a responderem um teste. Explique que a intenção não é verificar quem sabe mais ou menos, mas sim ativar os conhecimentos prévios sobre as etapas de uma seqüência didática. Ao final compare as respostas e apresente as alternativas corretas.

Etapa 3 - Questões em grupo (tempo previsto: 20’)
Convide os participantes a refletirem sobre a importância da seqüência didática para o trabalho com gêneros textuais. Para nortear a discussão, organize a turma em trios ou pequenos grupos e entregue a cada um deles uma questão para reflexão. Ao final, faça uma roda de conversa sobre as conclusões dos grupos.

Questões
1. O que são seqüências didáticas?
2. As seqüências didáticas são usadas somente para o ensino de Língua Portuguesa?
3. Por que usar seqüências didáticas ao ensinar Língua Portuguesa?
4. O que é preciso para realizar seqüências didáticas para os diferentes gêneros textuais?
5. Quais as etapas de realização e aplicação de uma seqüência didática de gêneros textuais

Etapa 4 - Leitura (tempo previsto: 20’)
Faça a leitura comentada do texto Seqüência didática e ensino de gêneros textuais. Em seguida, peça para cada grupo reler sua resposta, identificando o quanto ela se aproxima ou se distancia das idéias apresentadas no texto. Caso queiram, poderão completar suas respostas.

OFICINA 3

O passo-a-passo da seqüência didática
(tempo previsto: 60’)

 

materialof1.jpg inicio3.jpg

Leitura

Etapa 1 - Atividade de escuta (tempo previsto: 15’) 
Inicie uma conversa contando aos participantes que, para aprofundar o conhecimento das etapas que compõem a seqüência didática, vamos analisar, nesta oficina, uma seqüência didática. Para exemplificar, selecionamos um gênero bastante conhecido, principalmente pelos viajantes: reportagem turística.

Quando se pensa o ensino de qualquer gênero textual, é importante lembrar que o que se propõe é o ensino articulado de leitura, escrita e gramática desse gênero. Uma boa forma de ensinar gêneros textuais é organizar uma seqüência didática: um conjunto de atividades articuladas entre si, planejadas para ensinar um conteúdo passo a passo. Veja exemplo

Nesta Sala do Professores não vamos desenvolver todas as etapas da seqüência didática. Nossa proposta é fazer uma reflexão mais detalhada de três etapas em uma seqüência didática: ampliação de repertório; produção de texto coletivo e revisão e aprimoramento de texto.

Vale lembrar que para o ensino de gênero textuais em sala de aula é importante que o professor desenvolva a seqüência didática na íntegra, sem pular nenhuma etapa.

 

Peça aos professores que pensem em um lugar pitoresco, atrativo, ou naquilo de que eles mais gostam na cidade em que vivem. Incentive-os a escrever uma frase ou um slogan interessante, que mobilize as pessoas a conhecerem esse local. Ao final, organize um painel com as frases, os slogans elaborados. Aproveite o painel para destacar quais os aspectos do lugar foram contemplados: atrações naturais (cachoeira, rio, praia, montanha, mata) ou culturais (museus, igrejas, monumentos, culinária, festas).

Etapa 2 (tempo previsto: 35’) 
Divida os participantes em pequenos grupos. Convide-os a lerem o texto e identificarem as informações que aparecem na reportagem turística. Antes de iniciar a leitura, apresente quem é o autor e a situação de comunicação em que o texto foi escrito.

Texto escrito pela aluna Jéssica de Fátima Segatin, da 5ª série da EE Prof. Jethro Vaz de Toledo – Piracicaba/SP, vencedor da 1ª edição do Prêmio Escrevendo o Futuro em 2002, categoria “Reportagem”.

Dica - Coloque o mouse em cima do link/números e aparecerão observações sobre o texto

 

Pira, mistério, encanto e emoção (1)

 

Arco, Tarco, Verva é assim a linguagem dos “caipiracicabanos”, um povo chamado de caipira, mas que se orgulha disso e se diverte o tempo todo com as beldades de Piracicaba, que se situa a 152 km de São Paulo, pela via Anhangüera. (2)

Cidade quente, apropriada para você se deliciar com os encantos naturais do Parque do Mirante, um área ecológica, com vista privilegiada para o Véu da Noiva, o salto formado pelo rio, sendo atração permanente e onde os mais variados peixes param. O rio de Piracicaba já jorrou águas para fora (como diz a música). Também é ponto tradicional da festa do Divino e de campeonatos de bóias.

O Horto Florestal de Tupi é muito visitado, pela sua beleza ecológica.

O Engenho Central, um cartão-postal, era usado como usina de cana-de-açúcar; é sede da peça Paixão de Cristo, a Festa das Nações, o Salão Internacional de Humor e exposições diversas.(3)

Piracicaba se destaca pelas diversas universidades como Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba), Esalq (Escola Superior Luiz de Queiroz) etc.

A cidade maravilhosa cultiva a cultura, tendo o Museu Prudente de Moraes, o Teatro Municipal, a Casa do Povoador, o Museu da Água e a Casa do Artesão, não deixe de visitá-los.

Para quem gosta de ficar nas nuvens, precisa ir ao Aeroclube, para praticar pára-quedismo, esportes radicais e participar de campeonato de balonismo. Já para quem gosta de “se ralar” em Pira tem lugar para manobras radicais com seu skate. (4)

Piracicaba, terra da pamonha, da pinguinha boa, do caldo de cana, das modas de viola, do peixe no tambor acompanhado de um delicioso cuscuz, variados restaurantes e choperias, pontos de encontro de galera que curte badalações e agitos, com músicas ao vivo e com mesas ao ar livre.

A rua do Porto oferece esportes e atividades de lazer como canoagem e pesca e, nos fins de semana, bibliotecas,ambulantes e contadores de histórias para divertir a garotada.

Há quem diga que a história da cidade é das boas! Piracicaba, que eu adoro (5) tanto,na língua indígena significa “lugar onde o peixe pára”. Fundada por Antonio Correa Barbosa que, ao chegar aqui, só avistou tribos indígenas nas margens do brilhante e encantador rio. Garanto que você vai ser atraído por ele.

Traga muitas e variadas roupas, porque você vai sair muito para curtir e se divertir. Reservas? Não se preocupe. Temos uma grande rede de hotéis (6), do popular aconchegante ao sofisticado.

Contamos com rico artesanato, espalhado pela cidade, enfeitando os lugares e trazendo a alegria, através de bonecos e pinturas.

Seja bem-vindo a Piracicaba! Aqui você vem encantado e sai maravilhado! (7)



Etapa 3 (tempo previsto: 20’) 
Para favorecer a troca de idéias, convide os grupos a apresentarem suas conclusões. Ao final, clique nos espaços indicados na reportagem turística, para que eles confrontem com suas observações.

 

Para saber maisinicio3a.gif

A produção de uma reportagem turística

A produção de uma reportagem turística supõe a existência de uma situação na qual estão envolvidos, pelo menos, um editor que publica uma revista especializada em turismo e quer vendê-la,um repórter cujo trabalho é viajar e obter dados sobre lugares interessantes, e um redator,que é aquele que transforma os dados recolhidos pelo repórter em um texto dirigido para leitores que desejam viajar e compram revistas desse gênero para obter informações. O redator quando escreve, usa uma linguagem coloquial, como se estivesse conversando com seu leitor. Busca cativar esse leitor para conhecer o lugar descrito na sua reportagem, de maneira agradável e convidativa.

A cada gênero trabalhado é preciso explorar bem sua situação de produção própria e suas características gerais. No caso da Reportagem de Turismo, sugerimos, para entusiasmar os alunos,a criação de uma situação de produção para a escrita do gênero, que reproduza um ambiente de redação de revista em sala de aula. Os alunos serão repórteres que recolherão as informações geográficas e históricas, farão entrevistas com moradores locais, e escreverão a reportagem turística que será publicada em uma revista de turismo.

É importante auxiliá-los a se colocarem no lugar de repórter, num faz-de-conta gostoso. Isso fará com que eles se distanciem de seu modo habitual de ver a cidade, e possam olhá-la com "um olhar estrangeiro", olhar de quem vê a cidade pela primeira vez e necessita descrevê-la para seus leitores.

Como repórteres, eles podem visitar alguns lugares de sua cidade, colher dados sobre ele e descrevê-los de forma tão agradável que atraia os leitores a visitarem esse lugar. O primeiro passo é providenciar informações claras sobre acesso ao local, hospedagem, clima, etc. Além disso, é preciso descrever as atrações locais indo além de uma enumeração das qualidades do lugar.

É necessário que eles dominem adjetivos próprios desse gênero, usem expressões típicas que os turistas costumam encontrar em reportagens do gênero, empreguem uma linguagem coloquial, usando muitas vezes o pronome você, para construir um tom de intimidade com o leitor, colocar os verbos no presente, para dar a sensação de atualidade que o gênero precisa ter, utilizar persuasão em frases do tipo "Você não pode perder esse passeio", ou "O que está esperando para fazer as malas?"

Kit Itaú de Criação -Viagem pelas palavras – Reportagem / 2002.

Leia outras reportagens turísticas acessando os sites/páginas:
Visitante descobre aos poucos região de Ibitipoca, em Minas
Atibaia - Dicas de Viagem
Revista Turismo

OFICINA 4

A Importância da construção do texto coletivo
(tempo previsto: 60’)

materialof4.jpg inicio4.jpg

Etapa 1 (tempo previsto: 25’)

Inicie a conversa contando aos participantes que boa parte dos professores ainda hesita em elaborar um texto coletivo com seus alunos por considerar essa proposta uma tarefa muito complexa. No entanto, sabemos que essa etapa da seqüência didática é fundamental para ensinar qualquer gênero textual. Assim, propomos nesta oficina uma reflexão mais detalhada sobre a produção coletiva de um texto.

Para conhecer a experiência deles nesse procedimento, lance perguntas para o grupo: vocês costumam construir textos coletivos com seus alunos? Com quais objetivos? Que estratégias utilizam? Que dificuldades essa atividade traz?

Para facilitar a discussão, à medida que os participantes vão apresentando as informações, organize-as em um quadro e, em seguida, analise os registros com o grupo.

 

Objetivos Estratégias Dificuldades
     
     
     

 

Etapa 2 (tempo previsto: 15’)
A produção coletiva de um texto exige que o professor tenha não apenas o domínio da classe, mas, também, clareza da situação de comunicação e conhecimento do gênero em questão. Na tentativa de ajudá-los nessa tarefa, propomos a leitura do texto a seguir.

 

A elaboração do texto coletivo pela turma, com auxílio do professor, é uma importante etapa da seqüência didática no ensino de gêneros textuais.

É nessa atividade que a turma organiza a síntese do aprendido nas oficinas anteriores, o que possibilita a cada aluno um avanço pessoal e particular no grau de aprendizagem realizado. Isto quer dizer que, ainda que eles estejam em diferentes momentos do domínio do conteúdo ensinado, a elaboração da síntese favorece a organização do que já foi aprendido e aponta os novos desafios.

Esse trabalho atua na zona proximal do desenvolvimento cognitivo dos alunos, e a troca de informações entre estudantes de uma mesma turma permite que os colegas que estão em uma etapa mais avançada do conhecimento auxiliem o processo de aprendizagem dos demais e o seu próprio, pois aquele que ensina também aprende.

A produção coletiva deve privilegiar a negociação entre professores e alunos e entre os próprios alunos. Trata-se da negociação sobre o quedeve ser escrito, em que ordem deve ser escrito e como deve ser escrito, na produção textual que se instaura a capacidade de autoria. Aparecem diferentes pontos de vista e os alunos podem compreender que há vários modos de “acertar o tom” do texto e escolher o seu modo próprio de escrever.

Para que o trabalho dê o resultado esperado, é preciso que ocorra de forma organizada, evitando a dispersão, comum em atividades mais longas. Por isso, o professor deve preparar-se para usar estratégias que mantenham a classe atenta por mais tempo. Se o professor tem aulas com duração menor do que uma hora, pode dividir esse trabalho em dois dias. Vale destacar que o professor não é o autor do texto, nem um mero “escriba”, aquele que se limita a transcrever a fala dos alunos. Ele pode e deve contribuir, questionando e dando orientações.

 

DICAS

 

Antes de iniciar a escrita do texto:
- explique aos alunos a importância da escrita do texto coletivo;
- recupere com eles a situação de comunicação e o roteiro dos aspectos próprios do gênero;
- incentive a participação da turma por meio de perguntas;

 

Durante a escrita do texto:
- converse sobre o tema/assunto que será escrito;
- decida com o grupo a melhor forma de iniciar o texto;
- ouça as propostas dos alunos e ajude-os a transformar as idéias apresentadas (oralidade) em discurso escrito;
- antes de escrever cada um dos parágrafos, releia o anterior com o grupo para ver se os parágrafos estão encadeados e faça as alterações necessárias;
- prossiga o texto de modo que a organização da seqüência de parágrafos não perca a unidade, a coesão e a coerência;
- fique atento ao uso correto da pontuação;
- escolha, com a turma, um título sugestivo para o texto;
- ao final, transcreva o texto coletivo em papel pardo e combine com o grupo que ele será revisado e aprimorado posteriormente.

versão para impressão

 

Etapa 3 (tempo previsto: 20’)

Após a leitura socialize as impressões e reflexões. Retome então o quadro que montaram no início da oficina, perguntando:
O que mais chamou sua atenção na leitura do texto?
Que mudanças fariam em suas conclusões?
O texto deu pistas e indícios para contornar algumas das dificuldades levantadas?
A leitura do texto ajudou a pensar em novas estratégias para fazer uma produção coletiva com os alunos?
A expressão zona proximal foi criada por Vygotsky, para designar, na evolução cognitiva das pessoas, as aprendizagens que elas conseguem realizar com auxílio de parceiros mais experientes no conteúdo a ser aprendido. Ela antecede a zona real do conhecimento apropriado, quando o aprendiz pode realizar a tarefa proposta sem ajuda. No caso da seqüência didática, o momento da elaboração do texto individual, que revela a zona real de conhecimento do aluno, deve ser antecedido pela produção coletiva, um trabalho na zona proximal do conhecimento.

Para saber mais
sobre Lev S. Vygotsky (1896-1934)

acesse os sites:

Vygotsky e a Educação
Vygotsky - O teórico social da inteligência
O pensamento de Vygotsky e Bakhtin no Brasil

OFICINA 5
Revisar o dito e o escrito

(tempo previsto: 60’)

materialof5.jpg inicio5b.jpg

 

Etapa 1 (tempo previsto: 10’)
Inicie a oficina retomando com os participantes o percurso percorrido em uma seqüência didática, desde a primeira produção até chegar ao texto final. Destaque a importância da atuação do professor na revisão e aprimoramento do texto.

 

O professor tem um papel fundamental no processo de revisão e aprimoramento do texto. É ele quem faz a mediação, lançando perguntas, dando dicas, instigando o aluno a pensar sobre a própria produção. Deve ainda ajudar o aluno a voltar ao texto, dialogar com ele e encontrar novas possibilidades para melhorar aspectos de sua produção; refletir sobre o que é preciso acrescentar, retirar, organizar, reescrever.

Nesse processo, no entanto, o professor não deve confundir a ajuda, que é seu papel dar, com uma interferência excessiva na produção do aluno. É preciso preservar a autoria do texto. Inicie o trabalho de aprimoramento do texto retomando a situação de comunicação:

- O que quero dizer?
- Como posso dizer?
- Com que finalidade?
- Para quem ler?
- Onde será publicado?

dicas5.jpg

Etapa 2 (tempo previsto: 25’)
Organize os participantes em pequenos grupos. Entregue a cada grupo três textos, pedindo que leiam, comentem e identifiquem qual a produção que está mais próxima do gênero textual reportagem turística. Após a escolha, oriente os professores para uma análise mais detalhada do texto selecionado. Peça que façam perguntas, indicações por escrito – para orientar o aprimoramento da produção. Por exemplo: Que informações podemos acrescentar para que o texto fique mais atrativo para o leitor?

Etapa 3 (tempo previsto: 25’)
Retome com os participantes o fato de que a maioria dos alunos não tem familiaridade com a tarefa de revisar o próprio texto. Portanto é preciso ensiná-los a identificar aspectos que precisam ser modificados e explicar qual a melhor forma de fazê-lo. É o trabalho contínuo do professor que vai ajudá-los a vencer esse desafio.

Peça que os participantes comparem as indicações elaboradas em grupo com o Roteiro de revisão e aprimoramento, verificando pontos em comum.

Lembre ao grupo de que existem várias possibilidades de aperfeiçoar a escrita e de deixá-la mais adequada ao gênero reportagem turística. Veja abaixo e apresente a sugestão de texto aprimorado por um professor.

Dica - Coloque o mouse em cima do link/números e aparecerão observações sobre o texto

 

Texto 1 - O lugar onde vivo

Vivo num lugar muito gostoso, uma chácara chamada Pedacinho de chão.

Preciso acordar todos os dias as cinco e vinte para pedalar até a escola, pois a minha chácara fica cinco quilômetros longe da escola.

Faço esse percurso todos os dias sem me cansar e no caminho de casa passo na casa da minha avó, pra ver como ela está. Chegando em casa vou tratar dos porcos e das galinhas, cortar cana para as vacas, apartar os bezerros junto com meu pai. Trato dos cachorros e dou água para o cabrito.

Na minha chácara tem muitos pés de frutos e muitos lugares para brincar.

No domingo é dia de passear, vamos à igreja, na casa dos meus tios e avós de carroça com minha mulinha Princesa.

Sou Luiza Maria, tenho dez anos e sou feliz no lugar onde moro.

Cerejeiras, lugar pequeno, localizado aproximadamente a 800 km da capital Porto Velho. Cidade de povo alegre, tranqüilo, que passam domingos e feriados nos balneários da cidade, divertindo sem violência. (1)

 

Texto 2 - Rio Doce

Vivo na cidade de Rio Doce.

O município tem uma área de 43,77 km2 (Fonte: IBGE). Rio Doce é uma alternativa para as pessoas que buscam ficar próximo a Porto Alegre-RS. A cidade fica situada em um ponto estratégico na região metropolitana do Estado.

A origem de seu nome deve-se a existência de uma pequena queda d'água que havia próximo a um quilômetro acima da ponte sobre o rio Itaí, que impedia a navegação, principalmente na época da estiagem. Rio Doce foi emancipada em 15 de maio de 1966. Em 1970, a economia do município diversificou-se e tomou impulso com a instalação de um distrito industrial que gerou um conseqüente surto migratório de catarinenses, vindos da parte norte do Estado.

Posteriormente, também migrantes de outras regiões do estado adotaram a cidade.

A história de Rio Doce compreende a ocupação de áreas de cultivo de hortifrutigranjeiros, criação de gado e uma produção voltada para a atividade leiteira, levando o município a ser reconhecido como "Cidade do Doce de Leite".

Atualmente, Rio Doce conta com um intenso comércio, e um potencial industrial cada vez maior. Estão sendo investidos todos os esforços em saneamento básico do município e na iluminação pública, no que dará maior segurança para a população. Rio Doce tem uma identidade cultural expressa no seu patrimônio arquitetônico e na produção artístico-musical.

Rio Doce espera você!(1)

 

Texto 3 - São Leopoldo (1)

A cidade de São Leopoldo situa-se na região da Encosta Inferior do Nordeste do Rio Grande do Sul. Faz parte da Grande Porto Alegre.(2)

São Leopoldo foi a primeira cidade fundada pelos alemães no Estado do Rio Grande do Sul, no século passado, por isso, é denominada o "Berço da Colonização Alemã". A primeira leva de alemães chegou em 25 de julho de 1824, homenageando o santo padroeiro da Imperatriz Leopoldina.(3)

São Leopoldo é um município essencialmente urbano e possui indicadores de qualidade de vida que o colocam entre os municípios mais desenvolvidos do país. Sua economia é bastante variada, subdividida no comércio, na indústria metal–mecânica , coureiro- calçadista, borracha, química e, mais recente, em informática, com lugar de destaque na economia gaúcha.(4)

Em São Leopoldo há muitas atrações turísticas. O Museu do Trem, localizado na antiga estação ferroviária de São Leopoldo e primeira estação construída no Rio Grande do Sul. Exibe peças antigas dos trens.

Outro museu histórico interessante é o de Visconde de São Leopoldo que foi fundado em 1959 e possui acervo histórico com mais de mil peças e biblioteca com oito mil volumes que falam sobre história, geografia, artes, folclore e tradição do RS e imigração alemã. Tem também revistas, postais, partituras musicais, fotos e discos de antigas famílias da região e interior, expostos a permanente visitação pública de estudiosos, pesquisadores e turistas.

Na casa da Feitoria, construída em estilo alemão, você vai conhecer os móveis, utensílios e vestuário utilizados pelos imigrantes alemães.(5)

O Barco Martin Pescador foi construído para ser uma sala de aula flutuante e atualmente quem faz um passeio no Rio dos Sinos. Nele também se aprende formas de preservar o meio ambiente.

O Santuário Sagrado Coração de Jesus, conhecida como Padre Réu, é um lugar onde se pode conversar com Deus. Atualmente, São Leopoldo é conhecida principalmente pela sua noite, que conta com diversos s bares, lanchonetes, lojas e muitas outras diversões noturnas que atraem um grande público, tanto da própria cidade quanto das cidades vizinhas.

No mês de julho a cidade comemora sua fundação com a São Leopoldo Fest.

Se você mora em outro estado vá para Porto Alegre, de lá pegue um trem, ônibus ou táxi. Você chegará aqui em São Leopoldo facilmente. Você poderá conhecer coisas novas! (6)

clique aqui e veja o texto aprimorado

OFICINA 6

O caminho das pedras
(tempo previsto: 60’)

 

 

Etapa 1 (tempo previsto: 20’)
Organize os participantes em duplas.

Distribua o tabuleiro e a folha com os cartões. Peça que recortem os cartões. Proponha que uma das pessoas ordene os cartões com os títulos e a outra, os cartões com as definições. A seguir, elas devem parear os grupos de cartões, conferir a seqüência didática e colocá-la sobre o percurso.

Clique aqui e verifique se as etapas estão ordenadas adequadamente. Depois de conferido, peça que colem os cartões no tabuleiro

 

Etapa 2 (tempo previsto: 20’)
Veja se não há dúvidas sobre o porquê e como organizar um conjunto de atividades articuladas entre si, para ensinar um gênero textual. Converse com o grupo sobre cada passo da seqüência didática. Clique aqui.

Etapa 3 (tempo previsto: 20’)
Após esclarecer todas as dúvidas sobre a seqüência didática, lembre aos participantes que dispomos - para estudo e organização do trabalho com produção textual - de um conjunto de oficinas de três gêneros textuais: Memórias literárias, Artigo de Opinião e Poesia, no Kit Itaú de Criação de Texto. Estimule o grupo a pensar sobre um gênero que ainda não trabalharam com seus alunos e que gostariam de trabalhar. Liste as indicações apresentadas. Negocie com os participantes a escolha de um gênero. Em seguida, convide o grupo a planejar um conjunto bem articulado de atividades para ensinar esse gênero textual etapa por etapa, ou seja, uma seqüência didática que dê conta de ensiná-lo.

 

dicas6.jpg

 

O objetivo desta oficina é finalizar o trabalho com a elaboração coletiva de uma seqüência didática de um gênero textual, a partir do estudo realizado durante as oficinas anteriores. O grupo, juntamente com o coordenador, rememora as reflexões feitas ao longo dos encontros e constrói uma seqüência didática. Finalizada a tarefa, você deve enviá-la para a equipe da Comunidade Virtual. As seqüências didáticas serão lidas e as selecionadas serão publicadas.
 
Fonte:http://escrevendo.cenpec.org.br


 perfil 

Meu nome é Waldinéa Alves Farias Rocha, tenho 33 anos, estou na educação desde 1998, atualmente sou Analista Educacional e faço parte do quadro efetivo da SRE de Janaúba/MG. Nascida em Mato Verde/MG e residente na cidade de Janaúba/MG. Casada e mãe de 03 (três) filhos, procuro administrar meu tempo entre o trabalho que amo, a manutenção deste site e a dedicação primordial de minha linda família.

topo